Noé (Atilano Muradas)

< Voltar ao índice

No ano dois mil duzentos e cinqüenta e seis
Viveu na terra um homem chamado Noé.
Homem bom e justo, sempre temente a Deus.
Tinha três filhos por nome: Sem, Cão e Jafé.

Naquele tempo os homens se tornaram maus
A violência era tanta que Deus se entristeceu.
Deus disse a Noé: “Eu vou destruir a terra
E tudo que há nela de vivo eu farei perecer”.

Deus mandou que Noé fizesse uma arca
Cento e cinqüenta metros de comprimento,
Vinte e cinco de largura, quinze de altura,
De tábuas de cipreste e três pavimentos.

Noé e sua família entraram na arca
E mais um casal de cada animal da terra.
Choveu, então, quarenta dias sobre a terra
E tudo que estava de fora da arca morreu.

Até as águas baixarem ficaram na arca.
Trezentos e setenta e um dias esperando no Senhor.
Até que Deus mandou que todos saíssem da arca
E Noé fez um altar e adorou ao Senhor.

Deus abençoou a todos e disse assim:
“Tende muitos filhos, enchei a terra”.
E com Noé ele fez uma aliança no arco-íris
Que nunca mais a terra com água destruiria.

No ano dois mil duzentos e cinqüenta e seis
Naquele tempo os homens se tornaram maus
Deus mandou que Noé fizesse uma arca
Noé e sua família entraram na arca
Até as águas baixarem ficaram na arca.
Na arca …

Deus abençoou a todos e disse assim:
“Tende muitos filhos, enchei a terra”.
E com Noé ele fez uma aliança no arco-íris
Que nunca mais a terra com água destruiria.